©
I'm a Mes
“Ei, não sei de suas tristezas, mas saiba que o mundo não merece suas lagrimas, alias ele nem quer suas lagrimas, ele prefere seu sorriso, pois ele é fonte de suas alegrias, é energia para o sol e brilho para as estrelas, sabe o que acontece quando você fica triste? O mundo se apaga, e junto com toda a escuridão fica os medos mais sombrios, então meu bem, você tem que erguer essa cabeça e não deixar esse mundo se apagar, afinal esse mundo é seu, e somente você decide quem fica e quem sai.
Maiara Pietra Tomaz 
(via sintoso)
“Eu quero sair daqui. Eu quero ir pra um lugar onde as pessoas não falem só dos meus defeitos, dos meus erros, não fiquem falando que eu sou inútil, que eu não faço nada direito, que nada que eu faço presta, e por assim vai. Eu quero ir pra um lugar onde eu não seja julgada pelo meu corpo, pelo meu cabelo, pelas minhas roupas. Eu quero ir pra um lugar onde eu possar chorar sem parecer fraca ou fresca, onde eu possa sorrir e ser feliz de verdade. Eu quero ir pra um lugar onde não exista tantas pessoas egoístas e más, onde as pessoas te apoiam e te ajudam onde eu não tenha que mudar todo o meu jeito para que eu possa ser aceita socialmente. Eu quero ir pra um lugar bem longe, pode até ser em outro planeta, mas quero ir pra um lugar onde eu possa ser eu mesma sem julgamentos.
Estrelas-maduras.  (via florescerem)
“Desculpa se te sufoco tentando te prender a mim, é que enorme é a vontade de te ter, inventei de tirar o amor do papel para senti-lo melhor, quanta ingenuidade, agora já não sei o que fazer com tanto sentimento. Sinto-me confusa, no caos e só tenho encontrado paz na sua presença. Já não tenho o controle dessa bola de neve chamada amor, acho que nunca tive e para falar a verdade acho que nunca terei. Eu, que sempre fui cheia de certezas, que escrevia sentimentos e textificava minhas projeções alienadas sobre o amor, me vejo perdida. O amor próprio antes tão presente em meus textos vai se escafedendo a cada tentativa frustrada de chamar a sua atenção. Eu, que sempre exaltava o autoconhecimento em meus versos me vejo a estudar as tuas manias, te dissecando apenas com olhares, mas sendo incapaz de entender o que está acontecendo comigo. Você criou paradoxos em mim e cada vez mais eu vou me contradizendo, tudo o que eu dizia tudo que eu condenava, agora faço por você. Chego ao ponto de buscar justificativas esfarrapadas para a tua falta de interesse em mim – O sms não deve ter chegado; ele tem mesmo que acordar cedo; coisas do tipo. Faço isso só para não matar aquele 1% de esperança que renasce em todos os “bom-dias”, em todas as trocas de olhares. O “não corro atrás de ninguém” passou uma exceção: VOCÊ .Descobri que você era uma exceção, a que foge de todas as minhas regras, de todas as minhas teorias. Vi que o “não“ que eu escrevia, na prática transformava-se flexivelmente em talvez – talvez eu ligue só mais uma vez, talvez ele não tenha escutado… Talvez eu deva insistir em continuar nesse barco enquanto ele afunda.
Isso é triste, eu sei, mas não sei controlar o que estou sentindo, é pecado sentir?O que eu queria mesmo era voltar a sentir com a imaginação, sentir a leveza de ler uma bela poesia de Vinicius, viajar nos textos do Caio F. e nos contos de Clarice. Sei que não serei a mesma enquanto esse amor não passar e eu que nunca fui do tipo que corre atrás de alguém, eu que já abri essa exceção para você, peço-te desesperadamente que ande um pouquinho mais devagar, para que eu consiga te alcançar.
 O amor da teoria é diferente, fora dos textos me apavora. Joice Santana  (via sintoso)

a pior doença do ser humano é a expectativa